[Áudio Clássico] Qual é a diferença entre consertar ou restaurar um aparelho de som vintage? 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Revista PnP   Revista PeC   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Boletins   Anuncie   Quer colaborar?   Dúvidas técnicas  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre
Artigo (veja mais 5 artigos nesta área)

Qual é a diferença entre consertar ou restaurar um aparelho de som vintage?

Por Arq. Me. Iberê Moreira Campos e equipe


Muita gente confunde o simples CONSERTO de um aparelho com uma RESTAURAÇÃO. O conserto é feito em um aparelho que estava funcionando e que, por algum motivo, deixou de funcionar e foi levado imediatamente para um técnico. Em casos assim, normalmente apenas uma parte que deixou de funcionar e que, quando for reparada ou substituída, faz com que o aparelho inteiro volte a funcionar como antes. Já a restauração é feita em aparelhos que, via de regra, ficaram muito tempo parados ou já foram muito mexidos por curiosos ou até mesmo por outros técnicos. Em casos assim, nunca vai haverá um único defeito. Pelo contrário, serão vários defeitos e são tantos que na maior parte dos casos nem é possível fazer um orçamento prévio. Logicamente, o valor a ser gasto com material e mão-de-obra é completamente diferente entre um simples conserto e uma restauração completa. Vejamos os motivos pelos quais estes fatos ocorrem.

Em primeiro lugar, um aparelho com 20, 30 ou 40 anos provavelmente não precisa de “conserto”. Vai precisar de uma restauração completa. A maioria dos eletrônicos antigos que chegaram até hoje provavelmente ficou guardado em algum armário, porão, depósito ou sótão durante muitos e muitos anos. Em alguns casos, raros mas que existem, o equipamento pode nunca ter sido retirado da caixa desde quando foi comprado. À primeira vista isto pode parecer bom, mas na verdade não o é. O tempo é cruel principalmente com as borrachas, que ressecam e quebram, e com os lubrificantes, que ressecam e viram adesivos ao invés de lubrificar. A borracha pode fazer várias coisas com o tempo. Ele pode afrouxar, pode endurecer, pode rachar, pode desintegrar-se ou, dependendo de como foi originalmente vulcanizada, pode voltar ao seu estado natural de gosma líquida deixando uma substância parecida com alcatrão em tudo o que tocou dentro ou na unidade. Embora não seja um problema comum, os capacitores estarão secos até certo ponto ou podem ter vazado em vários lugares também. Se o aparelho usa qualquer tipo de baterias elas provavelmente vazaram. Somando-se tudo isto é que dizemos que aparelhos que ficaram parados durante algum tempo acabam precisando, na verdade, de serem restaurados e não simplesmente consertados. É a mesma coisa que acontece com um carro. Se ele ficar anos parado numa garagem qualquer, para andar novamente vai precisar de um mecânico com muita paciência e tempo disponível para verificar e consertar tudo o que for necessário para que você consiga fazer uma viagem pelo país amanhã. Neste caso também estamos restaurando e não consertando. Em segundo lugar, é preciso considerar as habilidades do profissional que vai fazer a restauração. O fato de alguém ter conhecimentos de eletrônica e mecânica não o torna automaticamente credenciado a lidar com aparelhos de som antigos. Em especial, ele não vai ser um especialista em TODAS as coisas da eletrônica, que mudou muito nas últimas décadas. Os técnicos novos não conhecem as tecnologias do passado e vice-versa, os técnicos mais antigos podem não saber lidar com os aparelhos novos.

É como na medicina, onde existem os médicos de clínica geral e também existe os especialistas e os super-especialistas. Ser apenas um mecânico de automóveis não significa que uma pessoa possa trabalhar em qualquer coisa que seja mecânica. Existem oficinas especializadas em motor, câmbio, suspensão, pintura, elétrica, pneus, escapamento, chassis e muitas outras. Um mecânico que sabe como trabalhar em um carro novo até com os olhos vendados pode ficar perdido se for presenteado com um veículo fabricado em 1957. Por outro lado, a pessoa que pode desmontar completamente o veículo 1957 até sua última porca e parafuso e depois remontá-lo, deixando talvez até melhor do que o novo, provavelmente ficaria perdida com os carros computadorizados de hoje. Dito isso, não é realista supor que QUALQUER oficina possa lidar com QUALQUER reparo, restauração ou reforma. Todo mundo tem sua especialidade e sua área de interesse. Então, ao escolher uma oficina para ter seu aparelho de som vintage de volta à vida, procure entrar em contato com algumas, para sentir qual é sua especialidade e fazer sua própria determinação como para quem você considera o melhor candidato para cuidar da restauração de seus valiosos equipamentos de áudio vintage.

Além da escolha cuidadosa do profissional, um dos aspectos mais importantes para enviar uma unidade para reparo ou restauração é TER CERTEZA que ela será embalada de forma suficiente e apropriada para um trânsito seguro. Lembre-se, os correios são conhecidos por sua brutalidade ao lidar com os pacotes, e não queremos acrescentar mais problemas aos que o aparelho vintage já tem. Você também deve perguntar se a empresa que restaura a unidade pode fazer o mesmo quando for devolver Isso não pode ser assumido. Mesmo empresas de embalagem profissional podem ter funcionários novos que não têm experiência na embalagem de aparelhos eletrônicos delicados de forma a garantir que cheguem inteiros no destino, então você deve fazer perguntas detalhadas sobre os métodos de embalagem que serão utilizados e verificar se eles serão o suficiente.

Embora as unidades danificadas em trânsito sejam ótimas para o nosso negócio de aparelhos e peças, quase todos os danos nas remessas se devem a embalagens inadequadas. Os aparelhos vintage não são mais fabricados, portanto é uma perda irremediável quando perdemos algum deles,, desnecessariamente, devido a uma embalagem pouco profissional. Devemos imaginar o pior cenário, ou seja, a embalagem vai cair, ser chutada, atirada e atropelada.

Publicado em 19/08/2020 às 06:51 hs, atualizado em 24/08/2020 às 13:16 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 5 ARTIGOS SOBRE :
Porque o gravador cassete é o complemento ideal para um toca-discos de vinil
Afinal de contas, qual é a melhor marca de aparelho de som vintage?
A lenda do “é só trocar a correia” nos tape decks à venda
Qual é a graça dos aparelhos de som vintage?
Dicas para comprar um tape deck cassete vintage

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da Áudio Clássico e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: leitor@revistapnp.com.br
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.